04 OUT 2018

FOMOS ABENÇOADOS PELO PAPA FRANCISCO

De 5 a 13 de setembro de 2018, estive na Itália para participar de um curso promovido pela Congregação para os Bispos, com o tema: “Servidores da alegria do Evangelho”. Anualmente o curso reúne, na cidade dos Apóstolos Pedro e Paulo, os novos bispos nomeados pelo Papa no último ano que, desta vez, eram 144, vindos de todas as partes do mundo.

Eu já tinha estado na Itália, pois lá estudei nos anos 1995 a 2001, mas desta vez era diferente: eu estava ali como Bispo de uma Diocese, representando um povo maravilhoso, que ama a Deus e à sua Igreja.

Num daqueles dias fizemos uma romaria até a Basílica Santa Maria Maior, igreja que o Papa Francisco foi já no dia seguinte da sua eleição para entregar nas mãos de Maria o seu pontificado. Ali, naquela igreja, mãe de todas as igrejas dedicadas à Nossa Senhora, num momento muito bonito de silêncio e meditação, rezei por todas as pessoas que, ao longo das minhas passagens pelas cidades e comunidades da Diocese de Paranavaí, pediram-me orações. Tudo ficou lá, guardado no coração de Nossa Senhora!

O curso teve duração de oito dias com celebrações, conferências e partilhas. No último dia, o mais esperado, tivemos um encontro inesquecível com o Papa Francisco.

Em seu discurso para nós, o Papa, em pé, diante de todos nós que o olhávamos e o escutávamos atentamente, disse-nos palavras que sinto ressoarem ainda hoje em meus ouvidos, das quais apresento a seguir uma síntese:

- A tarefa mais urgente de vocês é a santidade de vida!

- Vocês são frutos de uma escolha do Alto, de Deus. Por isso, de vocês se exige uma dedicação noite e dia.

- Permaneçam vigilantes mesmo quando desaparece a luz, a tentação de desistir retorna e o Maligno sugere que a luz não virá mais. Justamente neste momento, novamente se prostrem com o rosto por terra. E permaneçam fiéis, mesmo quando vierem a faltar as forças.

- Tudo isso para levar Deus ao povo.

- Coloquem Deus no centro de sua vida. Não se deixem tentar pelas previsões pessimistas. A Igreja não é nossa, mas de Deus. O destino da Igreja está misteriosamente escondido na cruz de seu Filho.

- Os nossos nomes estão esculpidos no seu coração e o nosso futuro em suas mãos. Por isso, não gastem as suas forças para contabilizar derrotas e relembrar amarguras. Cristo seja a vossa força.

- Mantenham o olhar fixo em Jesus e percebam a sua luz presente na Diocese da qual vocês são pastores. Não ignorem a carne de Cristo na sua Igreja; também as suas feridas lhes pertencem.

- Que ao encontrar com vocês cada pessoa experimente a beleza de Deus, a segurança da sua companhia e a plenitude da sua proximidade.

- A fonte da santidade é aproximar-se da alegria do Evangelho e deixar que essa invada a nossa vida.

- Por isso, vão em frente alegres, exultantes e não amargurados; serenos e não angustiados, consulados e não desolados.

- Conservem o coração de cordeiros, mesmo se circundados por lobos, sabendo que vencerão, pois contam com a ajuda do Pastor.

Essas palavras do Papa foram dirigidas a nós, bispos novos, mas servem para todos. São, na verdade, um programa de vida. E quero dizer a todos que eu pessoalmente assumo essas palavras do Papa e peço de Deus a graça de colocá-las em prática.

Depois disso, cada um de nós teve ocasião de saudar pessoalmente o Papa. Chegou a minha vez. Aproximei-me dele com simplicidade. Ao chegar na sua frente, senti fortemente o seu amor: parece que não existe mais nada para ele, somente você. Eu falava e ele me olhava nos olhos. Após voltar ao meu lugar e sentar-me, dei-me conta do que havia acontecido: encontrei-me transformado e com um desejo imenso de viver como ele, no meio do meu povo, isto é, de vocês!

No final ele deu-nos a bênção, alargada ao povo de nossas dioceses.

Compartilhe esta publicação
Nossas redes sociais
Top