23 JAN 2018

MÊS DE JANEIRO: MÊS EM QUE NOS PREPARAMOS PARA VIVER PLENAMENTE O ANO DE 2018

Nesta edição de janeiro do nosso Jornal Diocesano, vamos fazer uma grande homenagem ao nosso saudoso Dom Rubens, que foi o segundo Bispo Diocesano de 1985 a 2004, quando se tornou emérito e quis continuar aqui em Paranavaí e aqui ser sepultado no final de sua caminhada terrena.

Vamos lembrar de tantas lutas que Dom Rubens travou para que o Reino de Deus acontecesse nesta diocese, tanto no âmbito Pastoral, quanto no físico.

Lembramos que implantar efetivamente uma diocese não é tão fácil. Após a Bula Papal na qual criou a Diocese de Paranavaí em 20 de janeiro de 1968, desmembrando - a da então Diocese de Maringá, hoje Arquidiocese.

Em 08 de julho de 1968 foi feita a ereção canônica e a posse do primeiro Bispo, Dom Benjamim de Souza Gomes.

Dom Benjamim trabalhou muito, mas mesmo assim, ainda restava muito a ser feito.

Em 08 de dezembro de 1985, festa da Imaculada Conceição, Dom Rubens assumiu a nova Diocese, que dentre muitos desafios, lhe coube a construção da Catedral, dedicada à Maria Mãe da Igreja, que a diocese ainda não possuía.

Neste momento, temos que expressar a nossa gratidão aos Freis Carmelitas, que enquanto não se construía a Catedral, cederam a Paróquia São Sebastião até que o Bispo tomasse posse na sede que lhe é de direito. Nossos agradecimentos aos freis carmelitas de ontem e de hoje.

Construir a Catedral em tempo recorde foi uma luta muito grande e que Dom Rubens aceitou com coragem, obedecendo assim, o que o Papa João Paulo II (São João Paulo II), o incumbiu sob a pena de que se não o conseguisse, a sede da diocese iria para Loanda (segunda maior cidade da Diocese).

Outra grande luta, foi a construção do Seminário Diocesano, pois quando chegou à diocese, existiam poucos padres e poucas paróquias.

Trabalhou muito pelas vocações sacerdotais e religiosas. Tanto, que 80% dos padres desta diocese são fruto do trabalho de Dom Rubens.

Ele queria que cada cidade tivesse uma paróquia e um padre para guiar espiritualmente a comunidade e ministrar os sacramentos, bem como fazer a animação pastoral.

Dom Rubens incentivou os padres à construírem Igrejas, salões paroquiais e centros catequéticos onde não existiam e a reformar aqueles que já existiam.

Incentivou a vinda de religiosas para a nossa diocese. Incentivou todos os Movimentos e Pastorais.

Trabalhou incansavelmente e usou, inclusive, seus recursos pessoais, para que o trabalho não parasse.

A Dom Rubens, nossa eterna gratidão.



Pe. Sílvio Cesar Pereira

Administrador Diocesano

Compartilhe esta publicação
Nossas redes sociais
Top