16 MAI 2020

Papa Francisco: terceira mensagem dedicada aos deslocados

Alessandro Di Bussolo – Cidade do Vaticano

"Agora é a hora de um investimento maciço na paz" que é "a única solução para deter o deslocamento forçado de pessoas". Falam quase a uma só voz Padre José Cassar, diretor do Serviço dos Jesuítas para os Refugiados (JRS) no Iraque e Amaya Valcárcel, coordenadora internacional de “Advocacy", também do JRS. Ambos trazem em primeiro plano o drama de milhões de pessoas deslocadas internamente, aos quais o Papa Francisco dedicou a sua mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado 2020. O tema da mensagem deste ano é: “Forçados, como Jesus Cristo, a fugir. Acolher, proteger, promover e integrar os deslocados internos”.

O drama dos 6,5 milhões de deslocados na Síria

Seis milhões e meio na Síria, 5,5 na República Democrática do Congo e na Colômbia, 4,9 na Venezuela, 1,4 no Iraque e 450 mil em Mianmar: números que são pessoas, são as 50,8 milhões de pessoas deslocadas internamente que o Papa denuncia como “esquecidos” na sua mensagem e são a maioria dos 80,1 milhões dos deslocados forçados em todo o mundo. Cerca de 45 milhões deixam suas casas e se deslocam a outras cidades ou regiões, por causa de conflitos e violências e 5,1 por causa de desastres naturais, recorda o cardeal Michel Czerny, jesuíta e subsecretário da Seção Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, que introduz a coletiva.

Terceira mensagem do Papa dedicada aos deslocados

O cardeal recorda que esta é a terceira mensagem que o Papa dedica às pessoas deslocadas. A primeira foi em 2014, “Rumo a um mundo melhor”, e em 2017, “Crianças migrantes, vulneráveis e sem voz”, porém é a primeira que “se concentra no cuidado pastoral das pessoas deslocadas internamente”. O cardeal Czerny explica que estas mensagens, enraizadas em mais de um século de tradição, “enriquecem o magistério do Papa Francisco com relação às pessoas mais vulneráveis de toda a sociedade: os descartados, os esquecidos, os deixados de lado”.

Czerny: “são cidadãos de papel” desenraizados no próprio país

Os deslocados internos, explica o Subsecretário, "abandonando seu lar e ambiente familiar, vivem desenraizados dentro de seu próprio país, entre compatriotas que podem sentir aversão e ressentimento por eles". Eles se tornam "cidadãos 'no papel', que não se adaptam, mesmo tendo muito a oferecer": suas necessidades, conclui, "exigem atenção e são nossa responsabilidade", mas no momento parece haver "outras prioridades".

Baggio: verbos da pastoral migratória

O outro subsecretário, o padre scalabriniano Fabio Baggio, concentra-se na análise da mensagem pontifícia para sublinhar que Francisco propõe uma "nova articulação dos 4 verbos com os quais quis sintetizar a pastoral migratória: acolher, proteger, promover e integrar. E sintetiza a mensagem em cada um dos seis pares de verbos, ligados por uma "relação casual".

Conhecer suas histórias para compreender as necessidades

No primeiro par, "conhecer para compreender", segundo o Padre Baggio, o Papa esclareceu "que os deslocados internos não são números, mas pessoas". Só conhecendo suas histórias poderemos entender seu drama e suas necessidades". E a este par é dedicado o primeiro vídeo da campanha de preparação para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, apresentado durante a conferência, preparado pelo Departamento para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral".

A falta de conhecimento leva ao preconceito

Sobre este par deverbos também desenvolve o debate dos jornalistas via Skype, com o padre scalabriniano que ressaltou que é a falta de conhecimento do outro que leva ao preconceito. Amaya Valcárcel traz sua experiência pessoal do encontro com um deslocado somali em 1996 no refeitório da Comunidade de Sant'Egidio em Roma, onde foi voluntária quando era estudante de Direito. "Eu realmente não sabia o que fazer na vida", diz , "e a amizade com este pai de família que me contou sobre o drama de seus entes queridos deixados na Somália em guerra e que estava tentando fazê-los vir para a Itália, me levou a dirigir meu percurso de estudos em assistência jurídica a essas pessoas, até que entrei no JRS".

Ser anjos que levam ao encontro do outro

O Cardeal Czerny conclui que "o medo é o obstáculo mais forte à fé, e o medo do outro, do diferente de nós, não se vence com argumentos e conceitos, mas com o encontro". Há necessidade, explica ele, "de um anjo que nos tome pela mão e nos leve ao encontro que é descoberta do outro como irmão e irmã, para fazer desaparecer o medo" e nós cristãos podemos ser esse anjo para aqueles que não acreditam. Como as associações e paróquias, "que fazem um esforço, até mesmo comunicativo, para compartilhar suas 'boas práticas' para nos fazer entender que nossos medos são infundados".

Compartilhe esta publicação
Nossas redes sociais
Top